sábado, 3 de dezembro de 2016

Mais sobre as alterações climáticas

Por muito que se fale neste tema, fala-se muito menos do que aquilo que se devia. Este não é apenas o maior desafio ambiental da nossa geração: é a ameaça civilizacional mais iminente.

Digo isto a propósito de revisitar a série de vídeos de potholer54 que já tinha recomendado várias vezes neste blogue (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16). E revisito-a porque foi agora publicado mais um vídeo desta série. Aqui fica para os interessados:

terça-feira, 29 de novembro de 2016

A esquerda perante a direita populista

Toda a esquerda deve reflectir em como responder à ascensão da direita nacional-populista. Esse debate começou no Reino Unido aquando da vitória referendária da Brexit - em que estranhamente muita esquerda portuguesa via virtudes - mas a vitória de Trump na eleição presidencial dos EUA torna-o globalmente inadiável. As hipóteses seguintes de escalada serão avaliadas já no próximo Domingo (segunda volta da presidencial austríaca), e mais decisivamente em Abril, quando parece certo que Marine Le Pen chegará à segunda volta da presidencial francesa.

A direita nacional-populista rejeita a globalização, o establishment político, mediático e financeiro, e denuncia a (real ou suposta) «corrupção» dos políticos centristas; apela à xenofobia (ou mesmo ao racismo) e à islamofobia; preconiza o isolacionismo, o protecionismo e a «preferência nacional» ou até a expulsão de imigrantes, e a limitação à liberdade de culto dos muçulmanos. Este discurso não aliena os apoios habituais da direita, mas acrescenta-lhe sectores que habitualmente votariam à esquerda. Sistematizo abaixo cinco problemas - quase nenhum deles fácil para a generalidade da esquerda - e possíveis soluções.
Primeiro problema, os «perdedores da globalização»: concretamente, os tão falados  trabalhadores das regiões desindustrializadas do norte da Inglaterra, do Midwest ou do nordeste da França. É necessário reconhecer que a livre deslocalização de empregos para o terceiro mundo e restante evolução económica e laboral dos últimos vinte cinco anos trouxe-lhes principalmente o desemprego e o aumento da desigualdade. Fala-se menos das classes ex-médias cujos salários estagnaram, e que viram cavar-se um fosso face às elites. É bem possível que mais à frente estas pessoas descubram que o «regresso à identidade nacional» que a direita radical lhes oferece não lhes dará dinheirinho. Mas entretanto, a quimera do regresso ao mercado dentro das fronteiras do Estado-nação terá algum sucesso, ao qual só se pode responder opondo uma regulação muito mais dura da globalização através de instâncias supra-nacionais (não exclusivamente a UE), que não deixe toda a liberdade às multinacionais.
Segundo, a politização do combate à corrupção redefiniu o que era antes um crime de forma a ser agora qualquer falta ética ou de transparência. Mais importante: a corrupção hoje só existe no discurso público enquanto acto cometido por políticos no poder, e mais especificamente no poder executivo: só os políticos são corruptos. Logo, teve maior impacto Clinton usar um servidor privado de email para assuntos de Estado do que a evasão fiscal do empresário Trump. Tal como sendo Dilma Rousseff Presidente (poder executivo) a desorçamentação de despesa («pedalada fiscal»), foi causa formal para a destituir, enquanto as acusações de corrupção passiva (no sentido exacto - criminal - do termo) mal beliscaram o seu maior acusador, o deputado Eduardo Cunha (poder legislativo), que passou sem manifestações embora hoje - ao contrário de Dilma - esteja preso. O discurso contra a corrupção tem que ser despolitizado e remetido ao seu lugar natural no sistema judicial.

Terceiro, há que lidar com as limitações da política identitária. Ter elegido um negro presidente dos EUA foi uma vitória simbólica contra o racismo, mas não trouxe mudança substancial para os afro-americanos (muito menos para África), como comprovado pela continuação da violência policial «racialmente» direccionada. Eleger uma  mulher teria sido uma vitória simbólica contra a misoginia, mas é lícito duvidar que significasse um grande progresso na desigualdade de género nos salários. Mais perversamente, a acção de afirmar uma identidade gera uma reacção histérica das identidades contrárias, como o birtherism ou o machismo de Trump contra Clinton (ou da direita brasileira contra Dilma). A esquerda deve continuar sempre a combater as discriminações étnicas e de género, mas a prioridade tem que ser a mudança substancial, económica.
Quarto, e como repito há mais de dez anos neste blogue e alhures, a esquerda responde erradamente ao islamofascismo se se limitar a combater a islamofobia. Negar a realidade da existência de uma ideologia autoritária, sexista e homofóbica de inspiração islâmica é uma contradição com as denúncias que se fazem desses preconceitos quando vêm de outras origens (religiosas ou não). Pior: só desajuda os progressistas que na Europa, nos EUA ou no «mundo muçulmano» combatem os extremistas. A defesa da laicidade e a crítica do integrismo religioso deve ser feita contra todas as religiões, maioritárias ou minoritárias, do Ocidente ou do Oriente.
Quinto, o melhor precedente histórico de Trump não é Mussolini, mas sim Berlusconi: empresários que sabem dominar os media e abrir telejornais todos os dias, desbocados, narcisistas e pouco confiáveis. Não são fascistas, embora ambos tenham levado fascistas, mais ou menos disfarçados, para o governo. Insistir em chamar «fascista» a uma direita radical que anda há duas décadas a reconstruir-se, é falhar o alvo. Estamos perante um problema diferente, que usará armas muito diferentes. O que não torna a defesa da democracia e do pluralismo menos importante.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Fidel Castro (1926-2016)

No desaparecimento de Fidel Castro, julgo relevante recordar um texto escrito aqui quando estive em Cuba, há quatro anos. A Fidel Castro não perdoo não ter garantido as liberdades fundamentais dos cidadãos cubanos, as prisões, torturas e mesmo a morte de opositores. Tal repressão é inaceitável em qualquer circunstância, e tanto mais injustificável quanto sempre pareceu à generalidade dos observadores (e a mim também, quando lá estive) que a maioria dos cubanos apoiava a revolução. Também não gostei do culto de personalidade que vi em Cuba. 
Dito isto, Cuba deve ser comparada com os seus vizinhos, países do Terceiro Mundo. Comparado com eles, é um país bem menos miserável e com muito melhores índices socioeconómicos, na educação e na saúde. É uma sociedade bem mais igualitária, embora a pobreza seja generalizada (mas disso o governo não será o principal culpado, e os países à volta também são pobres). Acresce que a Revolução Cubana foi um exemplo para as lutas de muitos outros povos no mundo, que Cuba apoiou. Por tudo isto, eu continuo com o povo cubano. Hasta la victoria!


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O shift de Hillary


Parece-me que a vitória de Trump acontece principalmente por causa de dois factores: perda de votos dos Democratas em quase todos os quadrantes para abstenção e/ou outros candidatos, à excepção dos escalões de rendimentos mais elevados, mas que devido à sua reduzida dimensão, não têm grande peso no resultado final; um saldo neutro, entre perdas num lado e ganhos noutro, de votos para Trump, principalmente à custa dum shift de voto maioritariamente branco da faixa dos 35k-50k/ano, que foi suficiente para compensar perdas nos rendimentos mais elevados e em zonas com baixa percentagem de comunidade branca. O saldo final permitiu a Trump se manter, em termos absolutos, nos mesmos níveis que Romney em 2012.

Penso que o primeiro factor foi mais relevante, pois a perda de voto Democrata foi muito significativa. E portanto que tenho algumas dúvidas sobre se houve uma transição em grande escala de voto do partido Republicano para o Democrata.  Para o resultado final contou mais o "não voto" nos Democratas. Tendo em conta que a ideia seria votar com olhos fechados em Hillary (muita da discussão em torno de quem votar, não foi realmente sobre as qualidades da Hillary, mas sobre o risco de Trump ganhar), é possível que muitos milhares (milhões?) decidiram simplesmente não votar. Esta dinâmica observa-se principalmente nos votos dos rendimentos mais baixos, onde tanto Republicanos como Democratas perderam votos.



O que mostro aqui é uma pequena análise estatística dos resultados das eleições americanas, que talvez nos possam ajudar a compreender melhor a dinâmica de voto.

Todos estes gráficos resultam de uma análise agregada, por condado, das resultados das eleições presidenciais americanas de 2016 e 2012. Analisei apenas os votos dos partidos Democrata e Republicano.

A análise incide sobre os resultados de 3111 condados (quase 100% do total) mais os seguintes indicadores: salário médio anual de 2012 e 2015 (a preços de 2012), percentagem étnica da população (censos 2010) e densidade populacional (censos 2010).

Todos os gráficos mostram o seguinte: linhas contínuas e a tracejado mostram os resultados das eleições de 2016 e 2012, respectivamente, em relação à variável em análise. Azul representa o partido Democrata e vermelho o partido Republicano.

A análise é realizada em agregados de condados, i.e, os resultados respondem à seguinte questão: qual é a quantidade de votos, por candidato (ou percentagem), por conjunto de condados com a mesma característica em análise?

Para os valores em que a linha contínua é maior que a linha a tracejado (para o mesmo valor da variável de análise) significa que houve um ganho em percentagem ou votos (consoante o gráfico), e vice-versa. De notar que para os gráficos que mostram os resultados percentuais há quase sempre uma tendência de simetria, pois a perda de um partido foi +- o ganho de outro. Mas no caso dos gráficos que mostram a totalidade de votos tal fenómeno pode não acontecer, pois a perda de votos não significa sentido de votos direto para o outro partido.

Este primeiro gráfico (Fig. 1) é apenas uma recolha do resultado absoluto do número de votos que Hillary e Trump tiveram comparativamente aos anos anteriores. Deste gráfico de barras podemos ver que em termos absolutos Trump não teve grande votação. Aliás, teve menor nº de votos que Romney em 2012. A principal dinâmica foi a perda de votos dos Democratas. Passaram de quase 70 milhões em 2008, para aproximadamente 65 milhões em 2012 e agora 60 milhões.

Fig. 1


A Fig. 2 em baixo é a primeira da tal análise por agregados de condados. Nesta primeira imagem podemos ver a relação dos resultados eleitorais em termos percentuais com o salário médio. O gráfico parece indicar com alguma certeza que há um padrão em relação ao rendimento. Diz-nos que até aos rendimentos de aproximadamente 60mil/ano houve uma transferência de percentagem (atenção que não é transferência direta de votos!) de Democratas para Republicanos. Já nos condados com rendimentos médios acima deste valor, houve um aumento para os Democratas e perda para os Republicanos. De notar o ponto dos 90mil/mês, que transferiu uma boa quantidade de pontos percentuais dos Republicanos para os Democratas. 

Os pontos a preto mostram o “share” de votos em relação ao total. Como a maior parte dos votantes está nos rendimentos abaixo dos 60mil/ano, a dinâmica de percentagem dos rendimentos mais altos não tem grande peso no resultado final.


Fig. 2


Na Fig. 3 podemos ver os resultados do nº de votos vs o salário médio. O que daqui podemos concluir é que houve uma perda de votos por parte dos Democratas nos condados com rendimentos abaixo dos tais 60mil/ano (linha contínua abaixo da correspondente a tracejado). Mas isto não significa que esta perda de votos foi uma transferência direta para Trump. O gráfico parece indicar que só houve transferência para os rendimentos entre +-35k e 60k. Abaixo dos 35k também os republicanos perderam nº de votos. Muito provavelmente para abstenção ou outros partidos. Já para os valores acima dos 60mil/ano vemos que houve um ganho de votos por parte dos Democratas, à exceção da mesma zona que já vimos em cima, entre os 90 e 100k (o resultado neste ponto é contraintuitivo, pois ao mesmo tempo que os Democratas perderam votos, ganharam em percentagem; de notar que esta é uma zona com muitos poucos votos, e portanto o mais provável é que os resultados da análise nesta zona sofram de ruído estatístico).
Também é de relevar que a tendência de voto republicano nos condados com menos rendimentos médios não é novidade, e o mesmo  para o voto democrata.

Fig. 3


A Fig. 4 mostra a mesma análise mas agora em relação ao rácio de população branca. Do gráfico podemos ver que não é novidade a relação do voto branco com o voto republicano. A diferença para este ano é que tal correlação acentuou-se. A única zona onde os republicanos ganharam pontos percentuais é na região dos > 85-90%, com respectiva penalização na percentagem democrata.

Fig. 4

Na Fig. 5 podemos ver a mesma análise, mas agora tendo em conta o número total de votos. Do gráfico podemos ver que há uma perda de votos ao longo de toda a curva dos democratas, com maior intensidade na região de aproximadamente 85%-95%, e muito possivelmente a irem diretamente para os republicanos. Também podemos confirmar a perda de votos para ambos os partidos para condados com baixas percentagens de população branca.

Fig. 5


A análise em relação à densidade populacional (Fig. 6) também confirma o histórico: que os condados do interior votam mais nos republicanos. Em relação à diferença entre 2012 e 2016, existe uma grande perda na já baixa votação em termos percentuais nos Democratas.

Fig. 6


Finalmente, em termos de nº absoluto de votos, parece que não há grande diferença entre 2012 e 2016, excepto na zona à volta dos condados com uma média de 100 habitantes/milha^2.

Fig. 7


sábado, 12 de novembro de 2016

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Os robots vão roubar o meu emprego... ou talvez não

A Forbes tinha ontem uma notícia onde era dito que 93% dos investidores questionados na Web Summit achava que a inteligência artificial iria destruir milhões de empregos e que os governos não estavam preparados. Percebe-se a ideia; se o número de automóveis autónomos explodir, os taxistas e os camionistas do mundo ficarão para todo o sempre sem emprego, por exemplo.

O problema desta notícia é que ela já tem mais de dois séculos. As primeiras revoltas contra as máquinas que iam atirar milhões para o desemprego aconteceram no fim do século XVIII, no início da Revolução Industrial, com o início do movimento Luddite. Leu bem, no século XVIII as máquinas já iam causar um enorme e permanente aumento do desemprego... só que isso nunca se materializou. Pelo menos hoje, 11 de Novembro de 2016, não se observam esses efeitos nocivos das primeiras tecelagens mecânicas.
A chegada da máquina a vapor terá causado os mesmos receios que as tecelagens. A revolução agrícola, idem. A segunda revolução industrial, idem. A chegada dos computadores há 3 décadas, idem. 
Há um nome até para este raciocínio, a Luddite Fallacy.

Antes de dizer "mas desta vez é que é", pense bem no que se teria dito nos anos 80 ao saber que toda a contabilidade de todas as empresas, todo o tratamento de dados do estado central (impostos, segurança social, etc.), seria feito em segundos por software. Ou que a grande maioria dos processos industriais seriam automatizados e controlados por software. Que os projectos de arquitectura e engenharia passariam a ser desenhados rapidamente, por software? Os dados da OCDE desde 1960 até hoje mostram até que a taxa de participação no mercado de trabalho tem subido tanto na OCDE (preto), como na UE (vermelho).

Ironicamente a notícia acaba com a frase "Web Summit also reports that 89% of the investors predicted that Hilary Clinton was going to win the U.S. national election". Pois.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Sturm und drang=Trump with a bang

Trump ganhou. Na aritmética do colégio eleitoral, o factor decisivo foi a mudança de Obama para Trump de quatro Estados do Midwest pós-industrial - Pensilvânia, Ohio, Wisconsin, Iowa - (e um quinto alhures, a Florida). Foi aos trabalhadores destes Estados que viram os seus empregos deslocalizados para o estrangeiro que Trump, logo nas primárias, prometera renegociar os tratados de livre comércio «culpados» do desemprego (como Michael Moore notou prescientemente em Julho).


Esperou-se durante toda a campanha que Clintou compensasse as suas perdas nos votos dos «brancos trabalhadores» com os votos das mulheres e dos latinos, eventualmente dos negros. Falhou: Trump teve 29% dos votos dos latinos e 8% dos votos dos negros (respectivamente +8 p.p. e + 7p.p. do que Romney em 2012); entre as mulheres Clinton teve 54% (+1 p.p. do que Obama) mas Trump teve 53% do voto masculino (+5 p.p. do que Romney).

Ideologicamente, o movimento de Trump (tal como o do Brexit), é estridentemente contra as elites «globalistas» e «corruptas». Ser contra a globalização mobiliza aqueles que viram os seus empregos fugir por obsolescência ou deslocalização, e que nada têm a ganhar com os empregos da economia digital, geralmente para jovens qualificados. No entanto, o voto em Trump (e a acreditar nas sondagens) foi mais directamente motivado pela rejeição da imigração (e do terrorismo) do que do comércio livre. E (sinal da descristianização dos EUA) parece mais indiferente do que hostil ao liberalismo social (direitos das mulheres, contracepção, casamentos gaylegalização da marijuana).

A corrupção é o outro grande tema do voto «contra o sistema». E incrivelmente, foi considerada mais corrupta a candidata que apenas usou um servidor de email privado do que o candidato que assumiu em debates ser praticamente um evasor fiscal.

A maldição de Trump será não poder cumprir as expectativas que criou. A maior parte das bojardas que lhe permitiram dominar os noticiários são incumpríveis: construir um muro pago pelo México, prender Clinton, proibir a imigração de muçulmanos. E na realidade, foi um erro tratá-las como promessas, porque eram apenas bandeiras, provocações que anunciam intenções mas não decisões. Mas que os seus apoiantes lhe cobrarão daqui a quatro anos.



Do lado dos democratas, e embora territorialmente a divisão entre o campo e as cidades (ver o mapa acima) seja impressionante, a esperança reside em o eleitorado de Clinton ser mais jovem, mais urbano, mais latino e mais irreligioso, todas categorias demográficas em ascensão. A vitória de Trump pode portanto não se repetir. Mas será mais avisado que da próxima vez o candidato democrata seja alguém que possa corporizar melhor a revolta dos trabalhadores descontentes: alguém mais como Sanders e menos como Clinton.


Nota final: segue-se um ciclo na Europa em que o populismo de direita poderá ter novas vitórias.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Sempre as qualificações académicas

Dizem-me que a aldrabice com graus académicos não é um exclusivo português. Talvez seja verdade, só que em Espanha, tal como na Alemanha ou na Holanda (o presidente do Eurogrupo) aldrabam-se pós graduações ou mesmo doutoramentos, enquanto em Portugal se aldrabam licenciaturas. Deveria ser um objetivo político do governo: aumentar as qualificações dos portugueses de modo a que passem a aldrabar não licenciaturas mas doutoramentos, como nos países desenvolvidos.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Aquilo que apreciei na actuação do Governo

Uma das primeiras polémicas com enorme impacto mediático que envolveu este Governo resultou da vontade política por parte do ministro da Educação de pôr fim ao financiamento abusivo de escolas com contrato de associação. Neste domínio o Governo não poderia estar mais certo, quer do ponto de vista da boa gestão do erário público, da defesa da escola pública, de uma maior justiça social, de evitar um "rentismo" parasitário. A sociedade portuguesa acabou por aplaudir a actuação do ministro, mas no momento em que a decisão foi tomada esse desfecho era tudo menos claro: com todo o esforço feito pelas escolas e com toda a direita e muita comunicação social do lado dos interesses instalados, a escolha do ministro foi um acto de enorme coragem política que merece o meu maior aplauso.

No que diz respeito ao Ensino Superior e ao sistema científico e tecnológico nacional, são de louvar os orçamentos plurianuais, bem como o regime de contratação de doutorados que vem estimular o emprego científico, ao prever contratos de trabalho para investigadores doutorados, com a duração até seis anos, em substituição de bolsas de pós-doutoramento.

Ainda no que diz respeito à prioridade dada à investigação, desenvolvimento e inovação, a aposta em medidas de simplificação administrativa, legislativa e de modernização dos serviços, com particular enfoque no atendimento aos cidadãos e empresários  - o SIMPLEX+2016 - é, a meu ver, uma aposta estratégica certeira para o desenvolvimento do país.

No que diz respeito a opções estratégicas, a opção do PS de navegar entre as pressões de Bruxelas de manter o cumprimento dos objectivos consolidação orçamental e as pressões dos seus parceiros de coligação para «virar a página da austeridade», exigiria que a «lendária» capacidade negocial de António Costa para bolinar entre águas revoltas fosse mais do que uma ficção. Aparentemente, assim é: a saúde da actual solução governativa está bem e recomenda-se, e Bruxelas também tem dado o seu aval às políticas seguidas.

Aliás, os vários pontos do acordo entre PS, BE, PCP e PEV têm sido concretizados, tais como a reposição de feriados, devolução de salários, protecção da penhora da casa de família, as alterações à lei do aborto, a anulação da subconcessão dos transportes urbanos a privados, bem como a manutenção da maioria do capital da TAP nas mãos do estado.

Neste contexto é possível dizer que o tom geral da actuação do Governo se pautou pelo cumprimento dos compromissos eleitorais. A respeito das 35h semanais para os trabalhadores da função pública, muitos portugueses do sector privado se sentem injustiçados, alegando que o número de horas semanais deveria ser igual para todos. Dificilmente poderia discordar mais desta crítica: a actual lei apresenta um tecto máximo para o número de horas semanais que um empregador pode exigir, não veicula todos os empregadores às "piores práticas"! Qualquer empregador pode - e deve! - contratar trabalhadores estabelecendo horários inferiores ao máximo que a lei permite. O estado é um empregador com um grande poder de mercado, ao dar um bom exemplo e contratar com melhores condições do que aquilo que a lei exige está a fazer algo louvável não apenas do ponto de vista simbólico: está a intervir no mercado de forma favorável aos trabalhadores no sector privado. Isto significa que os trabalhadores no sector privado vêm os seus vencimentos e condições de trabalho favorecidas por esta opção por parte do estado - a economia é um sistema de vasos comunicantes.
Pessoalmente, eu sou favorável às 35h semanais como tecto máximo para o sector privado - mas sou da opinião que nesse contexto o estado deveria dar o exemplo e reduzir os seus horários para as 30h.

Outra medida que tem recebido bastantes críticas mas que não posso deixar de aplaudir é o aumento do Rendimento Social de Inserção. Estou convencido que as pessoas que criticam esta medida partem de um enorme equívoco quanto à sua expressão orçamental: elas sentem que uma fracção importante daquilo que pagam em impostos serve para suportar atitudes de preguiça e «parasitismo». Na verdade, o impacto orçamental do RSI é inferior a 0.4% das receitas fiscais - por cada euro pago em impostos muito menos de um cêntimo é usado para financiar o RSI. No entanto, o RSI tem um papel importante no apoio aos mais fragilizados, na criação de oportunidades para as crianças em famílias em piores condições, e também na diminuição da criminalidade (sendo possível que a este respeito origine poupanças muito superiores ao seu insignificante custo). O Governo fez muito bem em ignorar tais críticas e reforçar uma prestação que, de quase inexistente, estava a colocar em causa a paz social e estava certamente aquém dos limites mínimos de decência para com os mais desfavorecidos.

Além dos importantes aspectos mencionados, há pequenos detalhes que mostram toda uma diferente postura e atitude de defesa do interesse público face aos interesses económico-comerciais. Muitos dos exemplos com que fui tomando contacto não tive o cuidado de registar, mas esta notícia sobre uma alteração legislativa que pretende acabar com o aumento do som das televisões durante os espaços publicitários e programas infantis é um exemplo elucidativo.

No que diz respeito ao Orçamento de Estado para 2017, o novo imposto sobre património de valor mais elevado (a que a direita carinhosamente chamou imposto Mortágua) foi uma excelente notícia do lado da receita. Tomas Piketty explica em detalhe a importância deste tipo de impostos, um complemento essencial aos impostos sobre o rendimento, para evitar a estabilização das desigualdades num patamar muito elevado.
No lado da despesa é de louvar que se volte a apostar na Ciência, na Educação e Cultura, que se compreenda a importância de financiar adequadamente o sistema de Justiça, que se invista na modernização da Administração Pública, etc. A curta margem orçamental também não impediu a actualização do valor do Indexante dos Apoios Sociais, o aumento do abono de família, a gratuitidade nos manuais escolares do 1º ciclo (que vai poupar às famílias muito mais do que custa ao estado), os descontos no passe de transporte público, e outras formas de inverter o ciclo de empobrecimento de uma parte considerável da população portuguesa, num contexto de sensibilidade e bom senso.

No que diz respeito à minha opinião sobre a actuação deste Governo, importa também ler o texto sobre aquilo de que desgostei na actuação do Governo.